Ginecomastia - A cirurgia masculina para redução de mamas
X
X

Ginecomastia – A cirurgia masculina para redução de mamas

O que é Ginecomastia?

A Ginecomastia ou “hipertrofia mamária” e sua principal característica é o crescimento das mamas nos homens e ocorre geralmente nos períodos de alteração hormonal. É chamada de lipomastia ou pseudoginecomastia quando sua causa se deve exclusivamente ao acúmulo de gordura. A maior parte dos casos desse crescimento das mamas ocorre devido a patologias, geralmente associadas a desequilíbrios hormonais que são liderados pela síntese das células adiposas (as de gordura). Ou seja, quando há redução do hormônio masculino (testosterona) e aumento do hormônio feminino (estrogênio).

 

Causas

  • Aumento de volume na região peitoral: excesso de tecido mamário em decorrência de descontrole hormonal.
  • Acúmulo de gordura (pseudoginecomastias).

Contudo, podem ter origem também em:

 

  • Doenças sistêmicas: cirrose hepática, insuficiência renal, inanição.
  • Neoplasias: tumores.
  • Doenças endócrinas: hiperprolactinemia, hipogonadismo.
  • Uso de drogas: remédios usados em quimioterapia, drogas psicoativas, álcool, heroína, anabolizantes, etc.

 

Procedimento

O procedimento cirúrgico consiste em realizar um corte pequeno, em forma de meia lua em volta da aréola, onde as placas de gordura que caracterizam o problema são retiradas. Também é possível que uma lipoaspiração da mama seja realizada, essa indicação é feita para casos onde o aumento de mamas é causado somente pelo excesso de gordura. Ainda existe a possibilidade dos procedimentos serem combinados, primeiro é retirado o excesso de gordura e depois a glândula.
A anestesia pode ser geral ou peridural com sedação. O procedimento cirúrgico dura em média 1 hora e a permanência do paciente no hospital deve ser de 8 a 12 horas.

Quem pode fazer a cirurgia?

A cirurgia de ginecomastia pode ser realizada em pacientes com idade a partir de 18 anos de idade e com boa saúde física.

Pós-operatório

Após a cirurgia de ginecomastia ser realizada é normal que o paciente sinta desconforto nos primeiros dias, mas a tendência é que ela seja minimizada com o passar do tempo. Para que isso aconteça basta seguir de forma rigorosa as orientações médicas para o pós-operatório. É necessário que o paciente use malha na região operada por cerca de 1 ou 2 meses. Não se pode tomar sol na cicatriz por 6 meses e deve-se evitar esforços físicos por no mínimo 30 dias. A retirada dos pontos é realizada entre 7 e 14 dias após a realização da cirurgia. O resultado final é um peitoral harmonioso e com uma cicatrização uniforme e pouco visível, deixando assim um resultado estético satisfatório.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.